quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Saudade

De todas as palavras existentes no mundo, por mais que se  possa imaginar, existe apenas uma que faz ativar os sentimentos mais profundos em momentos de alegria, tristeza, nostalgia, de memórias . . .
Palavra essa que além de não ser possível traduzi-la em qualquer outra língua numa única palavra, faz recordar bons ou maus momentos, que sempre irão fazer parte da vida de um individuo.
Saudade . . . é um sentimento, um pensamento de algo, ou de um acontecimento ou até mesmo de alguém, que na realidade não é possível descrever exatamente. Maioritariamente apenas entendível por apenas aquele(a) que o sente.
Em qualquer um dos casos, foi algo ou alguém, nem que tenha sido por breves momentos . . . mas que para sempre irá fazer parte da sua história, desta passagem tão rápida e muitas vezes menos bem aproveitada, chamada vida.
Tudo aquilo que já passou, é passado e nunca mais se pode voltar repetir (pelo menos precisamente igual - partindo do principio que cada momento, só a ele lhe pertence, por isso exatamente irreplicável). Apenas a partir do hoje e viver esse novo momento, tal como ele o é, NOVO.
Desta vez tem a oportunidade de ter aprendido a lição do passado e viver mais intensamente cada momento que se avizinha - Carpe Diem - de forma a ficar eterno.
Não se permita que num futuro possa dizer: "Deveria ter vivido de uma forma diferente" ou "Deveria ter aproveitado mais as oportunidades que tive."
Não se arrependa do que fez, apenas do que não fez.
A partir de hoje tem a oportunidade de corrigir esse desperdício e tirar o melhor proveito desses momentos . . . pois eles nunca mais voltam acontecer. E quando relembrar-se de algo, que essas saudades sejam por aquilo que saboreou, acarinhou, gargalhou, por tudo aquilo que lhe possa chamar de: "Momento de Felicidade."

Principalmente porque vivemos à velocidade da luz.

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Qualificar por faixa etária o Tempo!


O ser humano depreende o mundo perante a percepção das suas experiências passadas. Por isso a felicidade ou infelicidade ser um ponto de vista.
Essas experiências vão conduzir a que se tenha um sentimento com uma significância própria de uma determinada situação. Dessa forma se cria os padrões existentes em cada um de nós.
Este é o mesmo processo, perante níveis etários, que vamos tomar como principio qualificar a percepção de utilização de seu tempo.

Assim vamos identificar 4 níveis etários (com isto não se pretende estereotipar e apenas identificar de uma forma genérica. Pois é de louvar aqueles que estão num dos níveis, apenas e só apenas, devido à sua maturidade de idade atingida e que na realidade são uma mais valia, por isso serem identificados como um exemplo ou destaque na sua faixa etária).


Enquanto Crianças e visto as suas experiências passadas serem nulas, onde toda a sua aprendizagem provem pela observação (e testes que vão criando), daqueles que os rodeiam, acabam por não ter bem a noção do tempo. 
Excepto a da presença ou falta daqueles que lhe dão toda a atenção (pessoas com quem vivem).



Teenagers, vivem o seu dia a dia a uma velocidade incalculável. De tal forma que todo o seu tempo disponível num dia (24h), está absolutamente desenquadrado com as suas necessidades.
"Como é que é possível haver pessoas que dizem ter tempo para tudo? Eu não tenho tempo para nada!"
Agravando, de certa forma, nesta era das telecomunicações constantes, em que as informações do mundo, dos amigos, dos conhecidos e daqueles que nunca imaginariam de as conhecer pessoalmente, fazem parte do seu quotidiano, através das redes sociais. Assim criando um novo conceito na comunicação, do relacionamento interpessoal, para um relacionamento móvel-impessoal.


Quando se entra no mundo do trabalho - aquilo que lhe chamamos do mundo Adulto - onde o incumprimento de horários sai em detrimento às responsabilidades por si já assumidas, (desde casa, condomínio, carro, empréstimos, água, luz, telecomunicações, alimentação, vestuário e outras necessidades pessoais); a responsabilidades de ter constituído família e o acréscimo que daí advém; as rotinas diárias . . . já nem sentem o tempo a passar.
Só tomam consciência que já passou mais um mês, quando chega novamente aquela data que tem de cumprir as suas obrigações. Ou um ano por já estarem naquela época festiva, que nem deram conta de terem passado 365 dias, e ainda tem a noção que foi "ontem" que ela tinha sido festejada.
O seu tempo (que acaba por ser o nosso bem mais precioso, visto ser tão escasso), quase deixou de ter o valor que deveria ter. Só se dá conta de como ele passou (tão rápido) apenas quando se apercebem do evoluir da idade e consequentemente o tamanho (em alguns casos) dos seus filhos, em que o nível dos olhos está equiparado ou até já se tem que o elevar, para lhes ver os olhos.


Agora quando atingem o nível Sénior, os seus hábitos do passado sofrem uma mutação para se enquadrarem com o excesso de tempo disponível.
Assim desta forma tendem na busca incessante num enriquecimento de preencher de modo útil e prazeroso, o seu tempo.
Onde muitas das vezes, voltam a adquirir a vontade de querer aprender algo, que de certa forma se sentiam desactualizados ou a praticar actividades / desportos que durante os anos passados, não tinham disponibilidade (até mesmo mental) para o fazerem.

Como a minha mãe o diz: "Agora passei a ter o TTM - Todo o Tempo do Mundo.

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Somos o que pensamos e tornamo-nos no que fazemos


Eu acredito que todas as ações de um individuo partam de uma perspetiva de terem uma intensão positiva, mesmo quando o seu resultado venha a evidenciar-se desfavorável, para quem as faz ou para terceiros.

Independentemente do desfecho final vai ser a forma como os outros acabam por avaliar e qualificar essa mesma pessoa. Mas perante as observações e reações dos terceiros - quem as pratica - vai analisar consigo mesmo e fazer uma autoavaliação das mesmas. Que por sua vez o vai conduzir a uma interpretação, se deve alterar as suas ações e retirar lições para serem aplicadas de um modo mais equilibrado, naquele determinado contexto numa próxima oportunidade.
Mas aquando da analise, constatar que as suas ações obtiveram corroboração por parte de quem as vivenciou ou obtiveram conhecimento, estas vão a partir daquele momento, fazer parte do seu carater e servindo de consolidação no seu EU.

Aquelas pessoas que na sua autoanalise, apercebem-se da necessidade de mudar algo, mas persistem em nada fazer de diferente, Einstein identificou como sendo aquilo que lhe chamou de: “Definição de insanidade é fazer a mesma coisa repetidamente e esperar resultados diferentes.”

Por isso o princípio de qualquer ação de um individuo provem de como filtra, interpreta e elabora a sua forma de pensar. Assim o cerne da questão passa com a forma e modo como pensa e lida com os seus pensamentos.

Deste modo: Somos o que pensamos e tornamo-nos no que fazemos.

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Coaching - Orgulho em si mesma.


Uma das grandes vantagens de se ter um Coach (Coaching), é ter alguém que lha vai ajudar ou até mesmo "socorrer" dos seus sonhos ou ideias que tenha, mas não saiba muito bem como colocá-los em prática ou de forma a tornarem-se exequíveis. 

Toda a gente os tem, mas maioritariamente ficam no mesmo local onde nasceram, na sua mente. Pode até começar a criar uma estratégia de forma a torna-los realidade, mas logo pode ser confrontado com os desafios que estão intrínsecos ao projeto. Podemos pensar que o azar acompanham-na mas a verdade porém é que o azar só existe porque a sorte está do outro lado do obstáculo.

Será que os desafios iniciais são a resposta que sempre desejou? Ser a comprovação de que na realidade é capaz?
Mas o que a maioritariamente acontece é acabam por desistir muito rapidamente dos seus sonhos logo à 1ª ou 2ª situação que lhe chame de azar ou dificuldade acrescida. Sem se aperceberem que cada acontecimento desagradável lhe traz consigo uma semente de um beneficio equivalente.

O Coach é aquele que vai conduzir a si, a manter o seu rumo que inicialmente tinha desenhado, através de varias técnicas e ferramentas com um sentido de persistência. Desta forma vai descobrir que afinal existem outras soluções possíveis para o atingimento do seu "Sucesso".

Este pode ser o momento de viragem da sua vida. Comece por si e associe-se a quem lhe traga a outra perspetiva que sozinha seria muito mais difícil atingir.
Não faça mais parte da desculpa, obtenha o contraste e tenha planos específicos para as suas soluções.
Nunca subestime as suas ambições.
Algumas outras pessoas podem pensar que esteja louca ou questionar-se a si mesma, porque nunca ninguém pensou nisto antes?

A oportunidade não depende da sorte, mas de si mesmo. Esta não necessita de inteligência ou estudos específicos, apenas da imaginação criativa e da sua vontade enorme de querer conquistar.
A isto se chama coordenar duas ou mais mentes criativas para o atingimento do que tanto deseja.

1º que tudo, tenha orgulho em si mesma.

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

I believe

Consideremos este facto:
A base do Atendimento ou e uma venda, é a incessante procura da satisfação de necessidades do seu cliente.

Deste modo está institucionalizado que a comunicação verbal e a não verbal, é o meio utilizado para se fazer corresponder em concordância com aquele que pretende conquistar a sua confiança, interesse e o motivo. Criando simpatia e empatia com o seu interlocutor.

De certa forma esta é a estrutura de sucesso para se conquistar, despertar e criar uma relação harmoniosa com uma outra pessoa.

Mas tudo isto leva-nos a uma outra questão bastante pertinente: Quando é o que o seu cliente ou interlocutor, é você mesmo?
Seguindo a ideia de que na realidade, durante o seu dia completo você fala mais horas consigo mesmo (aproximadamente 14h por dia), quando é que realmente faz algo para conquistar a sua confiança, através do seu discurso interno, proveniente de todos os comentários e pensamentos que constantemente está a debitar?
De que forma é que desperta o seu interesse para se sentir bem consigo mesmo? Que tipo de impulsos?
Como cria motivos a estimular as suas ações?
Este é um conjunto de questões pertinentes que usualmente assumem a perspetiva aplica aos outros nunca para si próprio.

Assim criou-se a  I believe, marca registada que desenvolve a sua atividade na área da Joalharia, que tem como objetivo colmatar esse espaço que existe entre as suas ações e relacionamentos  no seu "mundo" e a sua satisfação de necessidades, com os seus recursos e desejos/intenções pessoais que anseiam serem correspondidos. Associando-se à ostentação de uma Joia com o Desenvolvimento Pessoal.

Desta forma a I believe identificou (juntamente com um dos seus parceiros - Associação Portuguesa de Astrologia), a terapia através das cores - Cromoterapia, que tem como propósito o equilíbrio físico, mental e espiritual - uma panóplia de desejos/intenções associadas às cores (e forma a ficar bastante mais completo, ainda foram incluídos os signos, elemento e os chacras) correspondentemente.
Ficando apenas a tarefa de cada pessoa identificar-se com o seu desejo mais promissor ou intenção que pretenda ampliar ou superar na sua vida (no seu dia a dia), e escolher apenas a sua joia que considere mais acolhedora para si.


Trazer consigo a sua Joia, associada ao que mais anceia conquistar ou superar, vai ser  a sua "ancora" de confiança que lhe faltava, para principalmente nos momentos em que o controlo racional e emocional mais necessitam de algo sustentável para manter o seu equilíbrio.

A veracidade de qualquer coisa, vai depender daquilo que cada um Acredita ou quer Acreditar.
Eu Acredito . . . e você?

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Fracasso em Oportunidade - 2

Muito embora esteja andado ausente, estou de volta com a continuação do ultimo post:  Fracasso em Oportunidade - 1

Também é comum ouvir-se dizer que aquelas pessoas que trabalham para o estado, não fazem nada (ou quase nada) e tem todo o tipo de benefícios dele. Mas o que é factual é que uma pessoas (que lamentavelmente) fica desempregada, passou a ser funcionário do mesmo estado que tanto reclama. Pois o fundo do desemprego ou o RSI que passou a receber, provém através daqueles que tanto desalento e infelicidade lhes trás.
Mas então o que é que  se procura, satisfação ou insatisfação; felicidade ou infelicidade?
Este é um dos caminhos que tem a possibilidade de percorrer, que podes ser chamada de "derrota" (neste contexto).
Mas então pode questionar-se: Onde está a oportunidade em ficar desempregado?
Será que a resposta pode ser encontrada numa outra questão: "Quando estava a trabalhar (no seu ultimo emprego ou trabalho), quanto tempo entendia que tinha de fazer algo de forma a poder realizar aqueles sonhos ou desejos, que no seu passado, tinha projetado? Será que agora passou a ter o TTM - Todo o Tempo do Mundo - para poder fazer algo em conformidade com os seus sonhos? Será que através da realização desses sonhos, tem a "Oportunidade" e criar o seu próprio trabalho (empresa ou PME - Pequenas e Média Empresa) e ainda por cima ter a oportunidade de dar trabalho a outras pessoas também?
Visto o ser humano ter uma enorme necessidade e posse, acha que deixar de ser empregado e passar a ser empregador, seria uma perspetiva honrosa e reconfortante?
Agora que tem o TTM, e continua a receber algo, mesmo estando em casa, passou a ter aquilo que possivelmente se queixava não ter, para transformar a sua qualidade e sentido de vida naquilo que tanto desejava - Tempo.
Embora exista sempre duas perspetivas (no mínimo), em qualquer situação, pode sempre ficar sentado a reclamar de tudo e de todos - o mais comodo e mais fácil, mas menos compensatório financeira e de realização pessoal, ou pode olhar para dentro de si, agarrando-se a todas as lições adquiridas no percurso da sua vida e fazer uma lista daquilo que sempre sonhou e passar à ação.

Todo este texto pode até parecer conversa fiada de quem não está ao corrente da situação socioeconómica do país, no momento atual, ou de quem tenta vender a "banha da cobra" e está a motivar ou capacita-lo a sair da sua zona e conforto e força-lo a fazer algo de diferente do que possa vir vindo a fazer nos últimos tempos.
Consegui? Se ainda não, então volte a ler mas desta vez com uma abertura de espirito, de que estou a escrever para si, que se encontra desempregado ou à procura de dar a volta á sua situação atual.

É que a verdade é apenas uma, o senso comum diz-nos que vivemos apenas uma única vez (sempre pode viver outras vidas, mas certamente não se lembra muito bem delas, por isso mais vale aproveitar esta mesmo) e a diferença que vai marcar a diferença, vai depender naquilo que Acredita e quer Acreditar, sobre si mesmo (e não sobre os outros, visto que os fatores externos, já nos trazem tantas surpresas, vá ao menos contar com as suas próprias certezas, que é aquilo que possa controlar: o seu estado e espirito, pensamentos e naquilo que quer Acreditar).
O poder de transformar a sua "derrota" momentânea em Oportunidade, vai depender do seu discurso interno. Que tipo de comentário costuma ter consigo mesmo? Capacitadores e motivadores ou derrotistas? Costuma dizer: "Eu não sou capaz!"; "Eu não consigo!" ou "Eu Acredito em mim e nada é mais forte do que a minha força de querer vencer e alcançar os meus desejos."

Um dos dogmas mais poderosos, é poder dizer a si mesmo: "Eu Acredito . . ./I believe . . ."

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Fracasso em Oportunidade - 1

Nem sempre uma derrota, significa ser uma derrota.

Após aquilo que usualmente se chama de derrota, bem pode ser uma abertura de uma janela para uma nova oportunidade, passando a chamar-se de derrota momentânea.
O fato da perspectiva que assumir dessa derrota, vai marcar toa a diferença no seu resultado final que pretenda obter na sua vida.

Como é de conhecimento comum o proverbio popular: "Quando se fecha uma porta, abre-se uma janela." A diferença é que por vezes, fica-se tão ofuscado com a falta de luz que aquela porta agora fechada deixou de trazer e fica-se sentado reclamando ou meramente estático a olhar frente a mesma (como estivesse à espera que alguém crie ou faça algo para ela se abrir), que se esquece de apenas rodar um pouco a sua cabeça para mesmo ali ao lado e aperceber-se que tem uma janela que lhe trás uma nova iluminação para a sua vida e família

O que é mais comum nos tempos actuais, é o facto de ficar desempregado e que é considerado como a maior derrota da população em geral. Sem estar a especificar muito as variadíssimas razões possíveis, uma pessoa que esteja empregada numa qualquer empresa, adquire determinadas rotinas que passivamente assume como a sua evolução, equilíbrio ou que o destino na sua vida  é estar ali a trabalhar.
Olhando à sua volta, apercebe-se que ter aquele trabalho é uma dádiva, indiferentemente se ganha muito (ou o suficiente), ou nem sempre o suficiente para fazer cobro às suas necessidades (despesas e pequenos prazeres que se considera merecedor e para sua família), aceita-o de bom agrado mesmo tendo consciência que muitas das vezes não chega.
Por essa razão, normalmente, tenta arranjar um outro trabalho ou ocupação, de forma a sentir-se realizado e satisfeito.Muito embora também, se encontra aquelas pessoas que actuam de uma forma (mais normal em conformidade com o seu meio ambiente que a rodeia), que em contrario de uma acção pro-activa e que conduza a uma solução desejada, preferem estar inertes. Sentada no seu sofá em frente o "caixote" (TV), que lhes trás a ampliação do desalento da população em geral ou todo o tipo de desgraças no mundo, associando-se a essa "dor" e conjuntamente passando a fazer parte daqueles que tanto reclamam do estado, das finanças, das entidades patronais, daqueles que fizeram algo e hoje são noticia por terem conseguido superar-se de alguma forma (usualmente acusados de sortudos ou de conhecimentos influentes, quando uma grande parte simplesmente arriscou numa ideia e aventurou-se na falta de alternativas), do excesso do sol, das enxurradas da chuva, porque é dia ou está de noite . . . mas que na realidade nada fazem para alterar a sua situação pessoal e familiar.

Sem grandes rodeios e como já foi estudado, tudo que se faz, é um resultado . . . mas é o resultado desejado?
Ficar desempregado nos momentos actuais, é sinonimo de fazer parte do maior numero de pessoas com a mesma profissão . . . não fazer nada.