quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Fracasso em Oportunidade - 2

Muito embora esteja andado ausente, estou de volta com a continuação do ultimo post:  Fracasso em Oportunidade - 1

Também é comum ouvir-se dizer que aquelas pessoas que trabalham para o estado, não fazem nada (ou quase nada) e tem todo o tipo de benefícios dele. Mas o que é factual é que uma pessoas (que lamentavelmente) fica desempregada, passou a ser funcionário do mesmo estado que tanto reclama. Pois o fundo do desemprego ou o RSI que passou a receber, provém através daqueles que tanto desalento e infelicidade lhes trás.
Mas então o que é que  se procura, satisfação ou insatisfação; felicidade ou infelicidade?
Este é um dos caminhos que tem a possibilidade de percorrer, que podes ser chamada de "derrota" (neste contexto).
Mas então pode questionar-se: Onde está a oportunidade em ficar desempregado?
Será que a resposta pode ser encontrada numa outra questão: "Quando estava a trabalhar (no seu ultimo emprego ou trabalho), quanto tempo entendia que tinha de fazer algo de forma a poder realizar aqueles sonhos ou desejos, que no seu passado, tinha projetado? Será que agora passou a ter o TTM - Todo o Tempo do Mundo - para poder fazer algo em conformidade com os seus sonhos? Será que através da realização desses sonhos, tem a "Oportunidade" e criar o seu próprio trabalho (empresa ou PME - Pequenas e Média Empresa) e ainda por cima ter a oportunidade de dar trabalho a outras pessoas também?
Visto o ser humano ter uma enorme necessidade e posse, acha que deixar de ser empregado e passar a ser empregador, seria uma perspetiva honrosa e reconfortante?
Agora que tem o TTM, e continua a receber algo, mesmo estando em casa, passou a ter aquilo que possivelmente se queixava não ter, para transformar a sua qualidade e sentido de vida naquilo que tanto desejava - Tempo.
Embora exista sempre duas perspetivas (no mínimo), em qualquer situação, pode sempre ficar sentado a reclamar de tudo e de todos - o mais comodo e mais fácil, mas menos compensatório financeira e de realização pessoal, ou pode olhar para dentro de si, agarrando-se a todas as lições adquiridas no percurso da sua vida e fazer uma lista daquilo que sempre sonhou e passar à ação.

Todo este texto pode até parecer conversa fiada de quem não está ao corrente da situação socioeconómica do país, no momento atual, ou de quem tenta vender a "banha da cobra" e está a motivar ou capacita-lo a sair da sua zona e conforto e força-lo a fazer algo de diferente do que possa vir vindo a fazer nos últimos tempos.
Consegui? Se ainda não, então volte a ler mas desta vez com uma abertura de espirito, de que estou a escrever para si, que se encontra desempregado ou à procura de dar a volta á sua situação atual.

É que a verdade é apenas uma, o senso comum diz-nos que vivemos apenas uma única vez (sempre pode viver outras vidas, mas certamente não se lembra muito bem delas, por isso mais vale aproveitar esta mesmo) e a diferença que vai marcar a diferença, vai depender naquilo que Acredita e quer Acreditar, sobre si mesmo (e não sobre os outros, visto que os fatores externos, já nos trazem tantas surpresas, vá ao menos contar com as suas próprias certezas, que é aquilo que possa controlar: o seu estado e espirito, pensamentos e naquilo que quer Acreditar).
O poder de transformar a sua "derrota" momentânea em Oportunidade, vai depender do seu discurso interno. Que tipo de comentário costuma ter consigo mesmo? Capacitadores e motivadores ou derrotistas? Costuma dizer: "Eu não sou capaz!"; "Eu não consigo!" ou "Eu Acredito em mim e nada é mais forte do que a minha força de querer vencer e alcançar os meus desejos."

Um dos dogmas mais poderosos, é poder dizer a si mesmo: "Eu Acredito . . ./I believe . . ."